10 dicas para economizar água, energia e ajudar a combater a crise hídrica

Faz quase um século que o Brasil não enfrenta uma escassez de água nos reservatórios como a que estamos enfrentando hoje. Para piorar, a expectativa para os próximos meses é de pouca chuva e essa estiagem impacta diretamente no setor de alimentos.

Previsões da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), apontam que a próxima safra de soja e de milho pode ser prejudicada e a projeção de crescimento do PIB do setor agropecuário caiu de 2,6% para 1,7%.

Só no Brasil, a cada segundo, são retirados dos rios 2,3 milhões de litros de água para uso industrial. O setor agropecuário, por exemplo, é responsável por 70% do uso de água doce, mas outros setores como os de fabricação de cosméticos, bebidas e alimentos também pegam sua fatia. Nesse cenário, economizar água e energia é ainda mais essencial. E enquanto as empresas buscam soluções e maquinários para economizar, nós também podemos fazer a nossa parte. Por isso, trouxemos 10 dicas para te ajudar nessa missão. Dá só uma olhada:

Para economizar água:

  1. Feche um pouco o registro geral para diminuira vazão de água nas torneiras e chuveiros;
  2. Lave frutas e legumes utilizando uma bacia e uma escova vegetal para remover a sujeira;
  3. Faça reuso da água da chuva, da máquina de lavar e até da água que cai do chuveiro, enquanto ele não esquenta. É só usar umrecipiente para coletar a água e usar depois;
  4. Reduza o tempo de banho, desligue o chuveiro para ensaboar o corpo e escove os dentes com a torneira fechada;
  5. Utilize as máquinas de lavar roupa e louça com o máximo de sua capacidade.

Para economizar energia:

  1. Reduza o tempo do banho;
  2. Se possível,use aquecedor solar para a água nas instalações da casa e chuveiros à gás;
  3. Retire aparelhos da tomada. Você pode economizar até 12% na conta ao final do mês;
  4. Economize até 30% substituindo as lâmpadas comuns pelas de LED;
  5. Apague as luzes ao sair dos ambientes.

Agora, é cada um fazer a sua parte e torcer pra São Pedro dar aquela forcinha.

Fonte: Revista Capital Econômico