/* Error on https://fonts.googleapis.com/css?family=Roboto%3A100%2C100italic%2C200%2C200italic%2C300%2C300italic%2C400%2C400italic%2C500%2C500italic%2C600%2C600italic%2C700%2C700italic%2C800%2C800italic%2C900%2C900italic%7CRoboto+Slab%3A100%2C100italic%2C200%2C200italic%2C300%2C300italic%2C400%2C400italic%2C500%2C500italic%2C600%2C600italic%2C700%2C700italic%2C800%2C800italic%2C900%2C900italic&display=fallback&ver=5.8.2 : Something went wrong: cURL error 28: Connection timed out after 7001 milliseconds */

No Brasil, filho tem um alto custo.

Ao longo dos anos, as famílias brasileiras têm tido menos filhos. Enquanto na década de 1960, a taxa de fecundidade era superior a 6 filhos, em 2030, cada família deverá ter apenas 1 ou 2 filhos, segundo o IBGE.

A queda é atribuída pelo órgão à modernização das relações sociais, ao aumento da escolaridade e à inserção das mulheres no mercado de trabalho, mas, também à elevação do custo de vida.

Dependendo da cidade, esse custo pode ser bem elevado. De acordo com um levantamento do Instituto Ipsos, Brasília (DF) lidera o ranking das cidades com alto custo de vida para se criar uma criança, seguida por São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). Já cidades menores podem apresentar custos até 25% mais baixos para a criação dos filhos.