Transformando hobbie em profissão

É aquele velho ditado: “trabalhe com o que você ama e, logo, não amará mais nada” (risos). Brincadeiras à parte, esse ditado se encaixa bem neste momento, porque todo trabalho exige responsabilidade e compromisso. E escolher transformar algo que você goste de fazer em trabalho pode ser frustrante, se não houver planejamento.

Quem é apaixonado por games, por exemplo, para trabalhar como jogador precisa de muito tempo de dedicação e, geralmente, leva algum tempo até participar de campeonatos oficiais.

Então, qual é a #Dica1?

Olhar por outro ângulo e trabalhar com o mesmo tema de forma indireta. Por exemplo, quem ama games talvez não tenha tempo para jogar profissionalmente, mas pode gostar de programar, desenhar e animar jogos ou até mesmo ter um canal no YouTube sobre o tema.

#Dica2: estude o mercado. Quais são as tendências? Quais jogos estão no hype? Quem são os recordistas? E os concorrentes? Qual o perfil de pessoa que se interessa pelo assunto e pode ser um futuro cliente ou patrocinador?

#Dica3: troque informações com quem já está no mercado e entenda os desafios e as possibilidades. Pode ser até de áreas correlacionadas, assim, você se inspira em diferentes pontos de vista.

#Dica4: prepare-se para ser multitarefa. Tem muita coisa envolvida em um negócio: funções administrativas, o financeiro, a divulgação, atendimento ao cliente…e, possivelmente, serão feitas por você no começo.

Se você leu até aqui, é um sinal que tem mesmo interesse no assunto. Então, deixo um exercício como sugestão: que tal pensar em um hobbie que você gosta e listar como ele pode virar um trabalho remunerado, ou quais profissões poderiam ligar você a esse hobbie indiretamente?

Fonte: Me poupe