Em julho deste ano, os Correios anunciaram que o e-Sedex, serviço utilizado por lojistas, seria desativado, afetando diretamente quem vende pela internet. Esse segmento teve que optar entre pagar o valor do frete ou agregá-lo ao do produto (o que pode influenciar na decisão do comprador, levando à queda das vendas).

Nesse sentido, algumas empresas estão buscando soluções que não pesem tanto no bolso, como as que enumeramos a seguir:

 

  1. Serviços de motoboys

Para entregas locais, além dos motoboys, as empresas estão usando bikers quando o destino não é muito distante. Há ainda quem tenha criado uma frota própria ou aderido aos apps que oferecem esse tipo de serviço.

  1. Transportadoras privadas

Nessa alternativa, é necessário levar em consideração que os contratos começam a valer a pena se o fluxo de entregas é alto.

  1. Parceiros

Algumas empresas de logística têm um serviço destinado a pequenos e médios empreendedores que, por meio de uma análise do destino e do prazo de entrega, seleciona a melhor transportadora para cada caso.

Escolha o melhor sistema de entrega de acordo com a quantidade de entregas que você possui e não se esqueça que, além do valor, é importante garantir que o consumidor receba o produto embaladinho e funcionando. Boas vendas!

 

Fonte: Mandae