Para quem tem filhos, pensar no futuro é essencial e quando se trata de finanças isso se torna ainda mais importante. As suas atitudes podem influenciar no comportamento consumista das crianças. Portanto, é bom prestar atenção aos sinais enviados a elas.

Pensando nisso, listamos 4 formas de evitar o consumismo nas crianças. Acompanhe:

1 – Ensine a diferença entre o que é necessário, supérfluo e desperdício.

Isso pode ser feito com as preferências da criança para se divertir. Por exemplo, se seu filho gosta de andar de skate, é necessário ter o objeto, porém não o mais caro, pois isso é supérfluo. E, se ele ganhou um skate, mas não o usa, isso é desperdício.

2 – Não encha seu filho de presentes.

Dar muitos presentes pode levar a criança a pensar que essa é uma obrigação sua. Além disso, com o passar do tempo, ela pode não dar mais valor ao que ganha.

3 – Deixe a criança participar indiretamente das finanças da casa.

Isso é mais simples do que parece: explique como você ganha dinheiro, como as contas são geradas e pagas, etc. Isso faz com que seu filho entenda melhor por que deve economizar água, energia elétrica, telefone e outras despesas da casa.

4 – Aprenda a dizer “não”.

As crianças precisam aprender a lidar com as frustrações e com as esperas. Por isso, ainda que você possa dar tudo o que seu filho quer, é importante saber quando dizer “não”. Se ele está pedindo um brinquedo que todos os colegas têm, por exemplo, é melhor ensiná-lo que isso não é um motivo válido.

 

Agora, se seus filhos são adolescentes, é necessário agir de outra forma, mas para isso também temos 4 dicas:

1 – Seja sincero quanto à situação financeira da família.

Isso é muito importante para não transformar os adolescentes em consumistas. Se você deixa claro quais são os limites financeiros da família, ele entenderá melhor o padrão de vida que possui.

2 – Cuidado com o que fala.

“Estou deprimido, vamos fazer compras?”, “com esse carro, certeza que é rico”, entre outras frases, podem contribuir para criar uma expectativa de padrão de vida pouco realista na cabeça do jovem.

3 – Ensine valores reais.

A realidade de um adolescente pode ser bem competitiva e, inspirado por forças exteriores como amigos, mídia, etc., ele pode querer agir como alguém que admira. Então, é necessário ressaltar que ele possui algo autêntico, o que gerará uma maior confiança em seu interior. Assim, ele será mais forte quando receber todas as influências da vida de um jovem.

4 – Não viva através de seu filho.

Sabe aquela velha história de querer dar para um filho tudo o que você não teve? Pois é, melhor não aplicá-la. Isso pode reforçar um culto à aparência e ao status. O interessante é estimular o adolescente a buscar seu caminho e apoiá-lo nas dificuldades.

Fonte: Meu Bolso Feliz.